O microbioma intestinal é um ecossistema de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que superam os genes do hospedeiro em mais de 100 vezes. Sua relação com a saúde e a doença foram submetidos a extensas pesquisas, e o microbioma intestinal foi demonstrado estar envolvido na manutenção do metabolismo humano, nutrição, fisiologia, função imunológica e saúde mental.

Ao contrário do genoma do hospedeiro, que é relativamente constante, o microbioma é dinâmico e muda com o desenvolvimento inicial, fatores ambientais como dieta e uso de antibióticos e especialmente em resposta à doença. As mudanças mais dramáticas na composição ocorrem na primeira infância.

O microbioma intestinal de uma criança é afetado pela idade gestacional (a termo ou prematuro), tipo de parto (parto vaginal ou cesariana), tipo de alimentação (leite materno ou fórmula), estado nutricional materno (excesso de peso ou desnutrição) e uso de antibióticos. Acredita-se que a complexidade e a plasticidade da microbiota infantil durante o desenvolvimento no início da vida são importantes para manter a homeostase com o sistema imunológico do hospedeiro e tem um impacto na saúde mais tarde na vida.

Um intestino humano saudável pode abrigar pelo menos 1.000 espécies diferentes de bactérias, compreendendo dois filos principais, a saber, Bacteroidetes e Firmicutes. Outros micróbios também vivem no intestino, incluindo vírus, fungos e arqueas. No entanto, a pesquisa sobre eles tem sido pequena em comparação com as bactérias.

A relação entre as mudanças na composição do microbioma e a patogênese da doença é incerta. O desafio é identificar se o desequilíbrio microbiano está relacionado a doenças, às vezes denominadas disbiose, e ser capaz de distinguir entre causa e efeito.

O termo eixo intestino-cérebro tem sido amplamente utilizado no estudo da comunicação entre o trato gastrointestinal e o sistema nervoso central, uma relação vital para a manutenção da homeostase e cujo desequilíbrio pode resultar em alterações na resposta ao estresse e no comportamento humano. É definido como um sistema de comunicação neuro-humoral bidirecional que integra a sinalização neural, hormonal e imunológica entre o intestino do hospedeiro e as atividades cerebrais.

Bactérias comensais, probióticas e patogênicas no trato gastrointestinal podem ativar vias neurais e sistemas de sinalização do Sistema Nervoso Central (SNC) e podem influenciar o desenvolvimento de ansiedade e depressão. A relação bidirecional se reflete na observação de que o estresse pode influenciar a integridade do epitélio intestinal e pode alteram o peristaltismo, as secreções e a produção de mucina, promovendo mudanças na composição microbiana. O conceito de eixo intestino-cérebro sugere que a modulação da microbiota intestinal pode ser uma abordagem viável para o tratamento de distúrbios do SNC com significativamente menos toxicidade do que muitos dos produtos farmacêuticos usados atualmente.

Na prática clínica, a evidência de interações microbiota X eixo intestino-cérebro vem da associação de disbiose com distúrbios do sistema nervoso central (ou seja, autismo, comportamentos depressivos de ansiedade) e distúrbios gastrointestinais funcionais. Em particular, a síndrome do intestino irritável pode ser considerada um exemplo da ruptura dessas relações complexas, e uma melhor compreensão dessas alterações pode fornecer novas terapias direcionadas.

Categorias: Gastroclinic

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comunicado:
Para saber mais sobre os procedimentos de precaução e recomendações clique aqui.

WhatsApp
Covid-19Para saber sobre os procedimentos, clique aqui.