Segundo tipo de tumor mais frequente em homens e mulheres, o câncer colorretal deve registrar 41.000 novos casos em 2020, segundo estimativas do INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA).

O câncer do intestino grosso, chamado também câncer de cólon e reto ou câncer colorretal, é uma doença que atinge indistintamente homens e mulheres.

Em sua maioria se desenvolve gradativamente por uma alteração nas células que começam a crescer de forma desordenada sem apresentar qualquer sintoma.

Por esse motivo, a detecção precoce é fundamental.

Quanto mais cedo é diagnosticado, maiores as chances de cura.


A campanha

Para alertar e conscientizar a população sobre a prevenção, a SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) realiza durante todo o mês de setembro a campanha SETEMBRO VERDE. No Portal da Coloproctologia (www.portaldacoloproctologia.com.br) e na página da SBCP no Facebook (www.facebook.com/portalcoloprocto) serão postadas dicas e informações sobre o câncer de intestino.

Para o Brasil, estimam-se 20.540 casos novos de câncer de cólon e reto em homens e 20.470 em mulheres para cada ano do biênio 2020-2022. E uma mortalidade estimada em quase 20.000 casos.

É uma doença multifatorial influenciada por fatores genéticos, ambientais e relacionados ao estilo de vida.  Os fatores hereditários, como o histórico familiar de câncer de cólon e reto e as doenças inflamatórias do intestino, representam apenas uma pequena proporção da variação observada na carga global da doença.

Nesse sentido, as diferenças geográficas observadas na incidência possivelmente refletem a adoção de hábitos de vida ocidentais. É evidente a ocorrência de uma transição nutricional, em todo o mundo, que afeta principalmente os países em desenvolvimento.

Fatores de risco ligados ao estilo de vida são modificáveis e incluem: o consumo de bebidas alcoólicas, a baixa ingestão de frutas e vegetais, o alto consumo de carnes vermelhas e de alimentos processados, a obesidade, o tabagismo e a inatividade física.


Quais os sintomas?

Os sintomas mais comuns associados ao câncer de intestino são:

  • Sangue nas fezes;
  • Mudanças recentes nos hábitos intestinais;
  • Sensação de evacuação incompleta;
  • Cansaço ou fadiga inexplicável;
  • Dores abdominais;
  • Perda inesperada e repentina de peso.

Atenção, pois o câncer colorretal pode se desenvolver silenciosamente por um tempo, sem apresentar nenhum sintoma.


O câncer colorretal quase sempre, surge como um pólipo (lesão benigna) que cresce na parede do intestino podendo se desenvolver e sofrer transformação maligna, caso não seja diagnosticado e retirado a tempo. A colonoscopia é o exame indicado (padrão-ouro) para esse procedimento e na prevenção do câncer.

A recomendação era que pessoas sem histórico de câncer colorretal na família e sem sintomas procurem o Coloproctologista aos 50 anos, mas estudo recente da American Cancer Society demonstrou que o início do rastreamento deva ser aos 45 anos.

As pessoas com histórico familiar, têm indicação de serem avaliadas com colonoscopia:

– Aos 40 anos ou 10 anos antes do diagnóstico do familiar (o que for antes), se câncer em dois familiares de 1º grau em qualquer idade ou se familiar de 1º grau diagnosticado com menos de 60 anos de idade. O rastreamento deve ser feito a cada 5 anos;

– Aos 40 anos se parente de primeiro grau com câncer colorretal ou adenomas diagnosticados com idade> 60 anos, ou dois parentes de segundo grau com câncer colorretal.

A pesquisa de sangue oculto nas fezes é realizada por meio da coleta de fezes e pode detectar frações pequenas de sangue difíceis de se visualizar a olho nu.

O rastreamento* para pessoas sem risco aumentado para câncer colorretal é realizado entre os 45 e 75 anos com a primeira colonoscopia aos 45 anos e, na sequência, pesquisa de sangue oculto nas fezes anual ou bienalmente ou com colonoscopia a cada 10 anos. Se o paciente apresentar sangue oculto nas fezes positivo, deve-se realizar investigação sequencial com colonoscopia. A partir dos 75 anos, a continuação do rastreamento é individualizada.

* Rastreamento do câncer intestinal é um conjunto de atitudes que permite identificar pólipos ou câncer de forma precoce (em tempo de curar).

O câncer colorretal é altamente curável, especialmente quando diagnosticado cedo. A cirurgia, associada algumas vezes à quimioterapia e radioterapia, é usada como tratamento.

Consulte o especialista para maiores detalhes.


0 comentário

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comunicado:
Para saber mais sobre os procedimentos de precaução e recomendações clique aqui.

WhatsApp
Covid-19Para saber sobre os procedimentos, clique aqui.